quarta-feira, 21 de junho de 2017

Gestão e novos conceitos turísticos marcam a pauta da comitiva potiguar que visita a Alemanha

A gestão do destino turístico e os novos conceitos que permeiam o turismo mundial estiveram entre os pontos centrais da visita que a comitiva potiguar – que cumpre agenda no estado alemão da Renânia-Palatinado ao longo de toda esta semana – realizou às cidades de Bernkastel-Kues e Traben-Trarbach, na região do Rio Mosel. O grupo participou de um workshop com o doutor Rembert Gügel, especialista em gestão de destinos. Ele integra a equipe de profissionais da Câmara da Indústria e Comércio de Trier (IHK).

“Há 30 anos todos os problemas do turismo, assim como suas soluções, já eram conhecidos. E eles estão ligados à necessidade de se entender que, gerir um destino é torná-lo sustentável econômica, ecológica, social e culturalmente. O turismo precisa servir à população local, e não o contrário. A percepção que um turista terá do destino não se limita a uma única experiência que ele tenha. Ela passa por todas as experiências vividas naquele lugar e, principalmente, se aquele destino atende às expectativas que ele tem”, afirmou Gügel.

E é esse conceito integrado que parte da região do Rio Mosel, mais precisamente estas duas cidades visitadas pelos potiguares, procura trabalhar. Para ilustrar o conceito, o representante da IHK dá um exemplo. “Esta é uma região grande produtora de vinhos e a atenção dada à atividade pelos operadores do turismo é total. Entendemos a produção do vinho como uma atividade empresarial, mas ela também é um atrativo turístico, por isso não a perdemos de vista e buscamos integrá-la à atividade turística”, ressaltou Rembert Gügel.

Ele diz ainda que há uma mudança de conceito turístico bastante forte hoje e que a Alemanha tem procurado explorar bem. “Hoje os turistas estão desacelerando, estão valorizando o slow travel. Eles querem mais tranquilidade, fazer as coisas devagar, sentindo cada lugar. Um dos grandes ícones desta mudança de expectativas é o crescimento do modelo de hospedagem no qual o turista quer alugar uma residência e viver como um habitante local, se integrando ao dia a dia daquele lugar. Esta tendência precisa ser levada em conta na hora de se trabalhar um destino e, sobretudo, quando queremos encantar o visitante. O destino inteiro precisa ser atrativo, de várias formas, para que possamos atrair e manter o turista”, pontuou Gügel.

E ele vai além: “para saber exatamente o que o turista quer precisamos pesquisá-lo, entendê-lo, saber exatamente para onde iremos voltar nossas atenções, nossos esforços e, sobretudo, os nossos recursos”.

Um hotel Hotel-Escola diferente

Já na cidade de Traben-Trarbach, os potiguares realizaram uma visita guiada ao Hotel-Escola Moselschlösschen, às margens do Rio Mosel.

O hotel chama a atenção bela beleza e o charme de suas formas e funciona desde 1901 em uma antiga estação ferroviária. Trata-se de uma estrutura extremamente moderna e confortável, totalmente equipada para o que eles chamam de “aulas-show” que acontecem em duas situações. A primeira é quando um grupo resolve contratar um chef de cozinha e reunir amigos em torno de um jantar com uma aula básica de gastronomia e enologia. A segunda é quando uma universidade ou escola técnica da região resolve realizar nos espaços do Moselschlösschen aulas extras para seus alunos, com foco, por exemplo, na harmonização de pratos com os vinhos produzidos na região.

Para atender aos dois tipos de público, o hotel conta com uma moderna estrutura de cozinha e espaço voltado à degustação de vinhos, além de uma “vinhoteca”, um espaço subterrâneo, no qual são montados eventos destinados aos apreciadores da bebida.

Promoção direcionada do destino: as “personas” dos alemães

A comitiva potiguar que visita o estado alemão da Renânia-Palatinado teve, ainda, a oportunidade de conhecer a estrutura da Agência Estadual para o Desenvolvimento Turístico da Renânia-Palatinado (Rheinland-Pfalz Tourism Gmbh, a RPT), além de discutir possíveis formas de cooperação nesta área entre os alemães e o Rio Grande do Norte.

A agência alemã tem 70% do seu trabalho custeado pelo Secretaria de Estado da Economia e Turismo da Renânia. Os outros 30% vêm de entidades privadas – entre elas a IHK (Câmara do Comércio e da Indústria) e a Dehoga (equivalente à ABIH no Brasil) – e de prefeituras das cidades da região, ou mesmo de prefeituras das cidades que tenham interesses pontuais na atuação da agência.

Um dos pontos principais da atuação da RPT é uma ampla e diversificada plataforma de comunicação, com site responsivo (www.rlp.tourismusnetzwerk.info), aplicativos e reuniões por videoconferência.

Outra estratégia que vem sendo utilizada com excelente retorno no que os alemães chamam de qualificação do atendimento e, consequentemente, do retorno ao cliente, é a chamada “Costumer Journey”.

A equipe da agência realizou pesquisas e traçou perfis que definiram cinco “Personas”, que são clientes que se enquadram nos padrões do público-alvo de cada destino. A definição do perfil destes clientes foi feita com base em pesquisas qualitativas que deixavam claras as preferências de atrações e o tipo de hospedagem pretendidos, a distância da residência, o tempo de permanência pretendido, entre outras coisas. De posse dos perfis do público-alvo de cada destino, a agência, em parceria com as entidades que a mantém, passou a monitorar clientes que se encaixassem neles e a ouvi-los de forma mais detalhada para saber, por exemplo, quando iam procurar comprar efetivamente o pacote, que motivos poderiam fazê-lo desistir da viagem. O material direcionado às “personas” leva em conta as características de cada um, por exemplo, com uma folheteria em letras maiores para o público da terceira idade ou uma base de comunicação mais personalizada para esportistas.

O monitoramento vem dando muito certo e garantindo o “encantamento” dos turistas nos destinos. Na maioria das cidades em que a agência atua, o percentual de turistas oriundos do trabalho baseado nas “personas” já chega aos 50% do total.

“Este é um modelo muito interessante e nós deveremos discuti-lo no RN mais a fundo. Vamos tentar encontrar formas de adaptá-lo à nossa realidade. Me parece um bom indutor do crescimento do fluxo turístico, sobretudo em um momento em que nosso Rio Grande do Norte está diversificando fortemente seus atrativos”, garantiu o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

A comitiva

Liderada pelo presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, a comitiva de representantes do Estado, de municípios turísticos e de entidades empresariais do Rio Grande do Norte está cumprindo esta agenda a convite do estado alemão da Renânia-Palatinado, que custeou integralmente todas as despesas (aéreo, inclusive taxas de embarque, hospedagem, transportes e refeições). A ideia da viagem não é divulgar ou promover o destino RN mas, sim, trocar experiências de gestão, marketing e capacitação de mão de obra no setor turístico.


Além do presidente Marcelo Queiroz e do diretor Regional do Senac RN, Fernando Virgílio, fazem parte da comitiva: o secretário-adjunto de Turismo do RN, Manoel Gaspar Neto; a secretária de Turismo de Natal, Christiane Alecrim; o coordenador da Câmara Empresarial do Turismo da Fecomércio RN, George Gosson; a subsecretária de Turismo e coordenador dos polos turísticos do RN, Solange Portela; a secretária de Turismo de São Miguel do Gostoso, Janielle Linhares; a secretária de Turismo de Tibau do Sul, Elizabeth Bauchwitz; o secretário de Turismo de Serra de São Bento, Clovis Magdiel Figueiredo; o presidente da Abav RN, Abdon Gosson; o presidente da ABIH RN, José Odécio Rodrigues; o vice-presidente do Natal Convention Bureau, George Costa; a presidente da Emprotur RN, Ana Maria Costa; o cônsul honorário da Alemanha no RN, Axel Geppert; o assessor da Diretoria Regional do Senac RN, Estácio Guimarães; e o assessor de Comunicação e Marketing do Sistema Fecomércio RN, Luciano Kleiber.

Fecomércio RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente