terça-feira, 11 de julho de 2017

Chuva deixa Natal, região Central e interior do RN em alerta de perigo, diz instituto

Por causa das chuvas que caem desde a noite desta segunda-feira (10) na cidade, Natal está em ‘Alerta Laranja’. O aviso é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que em razão do acumulado de precipitações considera a possibilidade de alagamentos, deslizamentos de encostas e transbordamentos de rios. As unidades de Defesa Civil do Estado do Rio Grande do Norte e de Natal foram avisadas.

Entre as 0h e 9h desta terça-feira (11), os meteorologistas registraram 30,8 milímetros de chuvas na capital potiguar. Na região de Calcanhar (a quina do estado), próximo a Touros, foram 71 milímetros. O 'Alerta Laranja' é emitido quando há entre 30 a 60 mm por hora ou 50 a 100 mm por dia. 

De acordo com o Inmet, o alerta foi dado por causa de uma 'nebulosidade compacta' entre Fernando de Noronha e Natal. "São nuvens profundas. O alerta foi enviado para a Defesa Civil porque essa chuva pode causar alagamentos e deslizamentos de terra, principalmente em cidades litorâneas, como é o caso de Natal", diz Ednaldo Correia, chefe da Seção de Previsão do Tempo do órgão, em Recife.

O alerta abrange as regiões Central, Oeste, Leste e Agreste potiguar.

A Defesa Civil do Rio Grande do Norte, porém, informou que o monitoramento de chuva é um trabalho que exige operação de 24 horas e o órgão não tem condições de fazer isso. "Não temos efetivo nem estrutura suficiente para monitorar. A chuva geralmente causa problemas nas grandes cidades, como é o caso de Natal, que conta com Defesa Civil própria", declarou o assessor técnico Marcus Morais. Ele substitui o coordenador Eliseu Dantas, que está de férias.

A coordenadora da Defesa Civil de Natal, Alana Sales, informou que 10 agentes trabalham nesta terça-feira, na capital, em monitoramento de áreas de risco e lagoas.

Em apenas uma hora, caíram 10,8 milímetros em Natal. Para o Inmet, a quantidade é suficiente para emitir o Alerta Laranja na capital potiguar. "A maré cheia, junto com a quantidade de água, traz problemas como alagamentos na cidade", informou Ednaldo Correia.

Segundo as previsões do órgão federal, as chuvas devem continuar nos próximos dias, com menor intensidade. As rajadas de ventos estão menores e são mais pontuais que na semana passada, informou o Instituto.

"O período está com uma característica diferente neste ano. Os anos anteriores estavam abaixo da média, agora estamos acima. Só em um dia chuveu 140 milímetros, quando a média esperada para o mês é de 196,9", concluiu o meteorologista.

G1RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente