terça-feira, 26 de setembro de 2017

UMA SEMANA, 1.195 MORTES: O RETRATO DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

Mil, cento e noventa e cinco mortes violentas. Uma média de uma a cada oito minutos no país. Durante uma semana, o G1 registrou todas as vítimas de um embate silencioso. São crimes que, na maioria das vezes, ficam esquecidos – casos de homicídios, latrocínios, feminicídios, mortes por intervenção policial e suicídios espalhados pelo Brasil.

Há inúmeros exemplos: de como uma vida pode custar apenas R$ 20, de como uma discussão de casal pode terminar em tragédia, de como uma execução pode parecer algo banal.

O trabalho é o ponto de partida de uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP e com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O projeto tem um nome: Monitor da Violência.


Nesta primeira etapa, 230 jornalistas do G1 espalhados pelo país apuraram e escreveram as histórias dos 1.195 mortos em 546 cidades – quase 10% do total de municípios brasileiros. São todos os casos de morte de que se tem notícia registrados no período de 21 a 27 de agosto.

Trata-se de uma pequena amostra – se comparada à marca de quase 60 mil homicídios anuais –, mas que perfaz um retrato da violência no Brasil.

Alguns recortes se destacam no levantamento feito. São eles:

  • Do total de vítimas, 89% são homens
  • Os jovens – especialmente os de 18 a 25 anos – são a faixa etária mais vulnerável à violência (33% do total)
  • Negros correspondem a 2/3 das vítimas em que a etnia é informada
  • A maior parte dos crimes ocorre à noite (35%)
  • O fim de semana concentra um grande percentual dos casos (36%)
  • 81% morrem vítimas de arma de fogo (quando a arma é informada)
  • Em 15% dos casos, o autor do crime conhece a vítima
  • São 89 suicídios no período
Mas mais importante que os números em si são as histórias dessas vítimas: saber quem são, por que entraram para o rol de mortos e o que representam em meio a essa epidemia de violência que vive o país.

Continue lendo clicando AQUI!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente