segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Intel confirma falha em processadores de sexta, sétima e oitava gerações

A Intel reconhece que seus processadores de sexta, sétima e oitava gerações estão sujeitos a uma vulnerabilidade de segurança grave. A falha pode ser explorada para que invasores tenham acesso remoto aos computadores com os chipsets.

O problema, que vem sendo investigado por especialistas há anos, tem relação com o Management Engine – um conjunto de funcionalidades destinadas a profissionais de TI, que permite controlar remotamente PCs inseridos no contexto de uma rede ampla. Nesta terça-feira (21), a fabricante admitiu o problema por meio de um comunicado oficial e afirmou que uma correção está em andamento.


Segundo os especialistas Mark Ermolov e Maxim Goryachy da Positive Technologies, responsáveis pela identificação do problema, ataques que usam a falha ainda não foram identificados. No entanto, ainda de acordo com profissionais, os invasores poderiam acessar arquivos de usuários para causar danos graves – com risco de exclusão e modificação de documentos armazenados no PC.

Dada a natureza do Management Engine, de oferecer acesso amplo a uma série de funcionalidades de um computador conectado a uma rede, a falha é considerada grave. Criado para que gerentes de rede possam dar manutenção remota em computadores, o recurso pode dar a invasores acesso irrestrito à máquina afetada.

O problema atinge processadores de basicamente todas as linhas da Intel: Atom, Celeron, Pentium, Core i3, i5 e i7. Até mesmo os Xeon, das últimas três gerações da marca, são afetados pelo bug do Management Engine. Se você está em dúvida a respeito do seu equipamento, é importante conferir com os fabricantes.

A Intel afirma que o processo de reparação do problema está em andamento. De acordo com a empresa, as correções já foram criadas e serão repassadas aos fabricantes para a implementação de atualizações em seus produtos. Como o problema incide diretamente sobre o processador e chipset, atualizações de BIOS poderão ser necessárias para que a brecha seja corrigida.

TechTudo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente