quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Polícia prende no RN suspeitos de roubos a bancos e tráfico de drogas na Paraíba

A Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor) prendeu nesta terça-feira (12) três homens suspeitos de fazerem parte de um grupo especializado em assaltos a bancos e tráfico de drogas na Paraíba.

De acordo com a Deicor, os suspeitos foram identificados como José Martins da Silva, de 41 anos, José dos Santos Alves, de 30 e Luiz José Mendes Nogueira, o Ceará, de 52 anos de idade. Eles foram presos em uma granja na zona rural de São José de Mipibu, na Grande Natal. Com o trio, a polícia apreendeu um veiculo Gol roubado e com placas clonadas. 

De acordo com o delegado Odilon Teodósio, que comanda a Deicor, o local da prisão é o mesmo usado pela quadrilha de um criminoso conhecido pelo apelido de “Curau” para armazenar material como explosivos e armas. Este grupo foi desarticulado em dezembro de 2016, e na ação uma dupla foi presa e cinco homens morreram, dentre eles "Curau".

Ainda de acordo com a Deicor, o trio preso nesta terça (12) foi enviado ao Rio Grande do Norte para se apossar da área, que servia de base para o grupo criminoso. Além disso, a quadrilha estava sendo atentida por um advogado, que vinha defendendo outros crimonosos do grupo junto à Justiça de São José de Mipibu.

A Deicor também descobriu que “Ceará”, preso nesta terça-feira (12), é irmão de um dos donos da granja, identificado como Dirlando Coelho da Silva, o Jogador ou Bila. Além disso, a polícia investiga a ligação entre ceará e Cláudio Henrique Costa, conhecido como Aleijado, que foi preso no dia 30 de novembro deste ano e apontado como líder do tráfico de drogas no bairro Emaús, em Parnamirim, na Região Metropolitana da capital.

Segundo a polícia, os três homens presos vão responder pelos crimes de associação criminosa, receptação de veículo e adulteração de sinal identificador de veículos. Ainda de acordo com o delegado Odion Teodósio, o advogado que está atendendo os suspeitos foi ouvido e pode ser indiciado.

G1RN