sábado, 7 de abril de 2018

Lula diz que vai atender à ordem de prisão

O ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos no ABC - Leonardo Benassatto / Reuters
Ao som de violão, de cima de um carro de som na porta do Sindicato dos Metalúrgicos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o juiz Sergio Moro mentiu ao confirmar a acusação de que o tríplex era dele. Lula foi condenado pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4) pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Em um discurso duro, disse que está pronto para atender à determinação da Justiça.

— Eu vou atender ao mandado deles porque quero fazer a transferência de responsabilidade. Eles acham que tudo o que acontece é por minha causa, eu já fui condenado a três anos de cadeia porque um juiz de Manaus entendeu que eu não preciso de armas, mas eu tenho uma língua ferina — disse Lula, complementando: — A morte de um combatente não para a revolução.

— Vou chegar de cabeça erguida, quero chegar lá (na PF de Curitiba) e falar para o delegado: 'estou à sua disposição'. Mas a história vai provar que quem cometeu o crime foi o delegado que acusou, o juiz que me condenou e o MP que foi leviano comigo — disse ele, para em seguida decretar que "sairá dessa ainda maior".

— Sairiei dessa maior, mais forte, mais verdadeiro e inocente. Quero provar que eles é que cometeram o crime — disse, ressaltando que sairá da prisão de "peito estufado".

E continuou:

— Estou sendo processado, mas tenho dito claramente. Sou o único ser humano proecssado por uim apartamento que não é meu. Que o (jornal) O GLOBO mentiu quando disse que era meu. A que a Lava-Jato mentiu quando disse que era meu. Eu pensei que o o juiz Moro ia resolver e ele mentiu também — disse Lula.

O GLOBO foi o primeiro a revelar, em 2010, a ligação do ex-presidente com o tríplex do Guarujá, no litoral de São Paulo, que acabou se tornando o pivô de sua condenação a 12 anos e 1 mês de prisão. Duas reportagens do jornal, em 2010 e 2014, mostraram que o imóvel pertencia a Lula e a sua mulher, Marisa Letícia.

Diante da militância, ele atacou a forma como vem sendo tratado pela justiça.

— Não estou acima da Justiça. Se não acreditasse, eu tinha proposto uma revolução nesse país. Acredito numa Justiça justa que faz processo baseado nos autos, na prova concreta que tem a arma do crime - disse ele, continuando.

— O que não posso admitir é um procurador que fez um powerpoint e foi pra TV dizer que o PT é uma organização crminosa que nasceu para roubar o Brasil. E que o Lula, por ser a figura mais importante, e ele é o chefe. E se o Lula é o chefe não preciso de prova, eu tenho convicção. Guarde a convicção dele para os comparsas.

Pouco antes, ele retiomou discurso de sindicalista antes da decretação de sua prisão, que deve acontecer ainda neste sábado. Procurando dar um tom histórico - Lula estava ao lado de padres da região, numa lembrança da época em que contou com a ajuda da Igreja Católica para tentar evitar sua prisão na década de 1980 – Lula pontuou o discurso rememorando sua trajetória.

— Na minha consicência, parte da conquista da democracia a gente deve a esse sindicato dos metalúrgicos, a partir de 1978. Aqui foi minha escola, aqui eu aorendi sociologia, economia, física, química e aprendi fazer muita política. No tempo que eu era presidente, as fabricas tinham 140 mil professores que ensinavam fazer as coisas.

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente