terça-feira, 25 de setembro de 2018

Fecomércio sedia Jornada de Relações de Trabalho com presença de ministro do TST


A Fecomércio RN sediou nesta segunda-feira (24) a primeira edição, entre as capitais do Nordeste, da Jornada Brasileira de Relações de Trabalho. O evento contou com as palestras da desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, Vóila Bomfim Cassar; e do ministro aposentado do Tribunal Superior do Trabalho, Gelson de Azevedo; que juntos explicaram as mudanças na legislação trabalhista, quase um ano depois da sua implantação.

O presidente em exercício da Fecomércio, Luiz Lacerda, ressaltou a importância de mais um evento para esclarecer as mudanças que aconteceram nas leis trabalhistas. O presidente relembrou a dezenas de eventos promovidos pela federação em Natal e no interior para debater o assunto. “Quanto mais a gente esclarecer as pessoas que a Reforma Trabalhista não veio para tirar nenhum direito do trabalhador, e sim, flexibilizar e modernizar os seus direitos, será bem melhor compreendida tanto para os empregadores, como para os empregados”, declarou Lacerda. 

A secretária-adjunta da Secretaria Geral da Presidência da República, Tatiana Palermo, reforçou a importância do evento para “explicar melhor os avanços das leis trabalhistas”, e a presidente do Ibec, Marisa Almeida, completou o discurso “quando se traz inovações na legislação é importante debater”.

“A Jornada veio para esclarecer o que a reforma trouxe, quais as alterações, os paradigmas novos, do velho e do novo Direito do Trabalho. É bom a gente enfrentar essas mudanças e esclarecer aqueles que tem interesse de conhecer a reforma”, afirmou a desembargadora Vóila Cassar.

Encerrando as palestras, o ministro aposentado do TST, Gelson de Azevedo, comentou que toda a mudança cause reações, porque ela pode atingir determinados setores e ser favorável, e outros tantos não ser favorável. “É natural que as reações ocorram. Temos pareceres para todos os gostos, dependendo do enfoque que você aborda. Se criaram muitos mitos com relação a essa proposta para os empregadores e empregados, porém, vemos eficácia nessa lei, em menos de um ano”, disse ela.