sexta-feira, 9 de novembro de 2018

RN confirma mais de 10 mil casos de dengue, 706 de chinkugunya e 41 de zika até outubro

Por conta da Semana de Mobilização Intersetorial de Combate ao Aedes Aegypti, a Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap/RN) reuniu representantes das Unidades Regionais de Saúde Pública (URSAP's) e dos municípios da Região Metropolitana estiveram reunidos para definir o cronograma de atividades que serão realizadas entre 26 a 30 de novembro em todo o país.

Segundo o órgão, até a semana epidemiológica 40, com dados coletados até 06 de outubro, o Rio Grande do Norte notificou 26.306 casos suspeitos de dengue, sendo que 10.900 foram confirmados. A pasta confirmou ainda 3.234 casos suspeitos de chikungunya, sendo 706 confirmados; 922 casos suspeitos de Zika, sendo 41 confirmados.

Ainda de acordo com a Sesap, um total de 48 óbitos por arboviroses foram notificados até o momento, com 1 óbito confirmado por dengue e os demais ainda estão em investigação. Em 2018, a operação com carros fumacê já foi realizada em aproximadamente 50 municípios de todo o estado.

O objetivo do encontro foi reunir as áreas de saúde, educação e assistência social para conscientizar a população, através de ações educativas, a respeito da importância da prevenção e combate ao mosquito. O dia 30 de novembro está marcado como o “dia D” para engajamento dos municípios no combate ao vetor da dengue, zika e chikungunya.

O Ministério da Saúde orienta que, através da interação entre estes setores, sejam intensificadas medidas de prevenção, como a eliminação de focos do mosquito, distribuição de material educativo, mutirões de limpeza, gincanas nas escolas, atividades lúdicas, apresentações culturais e rodas de conversas, e também ações de comunicação nas redes sociais com a hashtag #mosquitonão.

A subcoordenadora de vigilância epidemiológica da Sesap, Maria Lima, explicou sobre a necessidade do envio das notificações de casos, por parte dos municípios, para que as estratégias de combate ao vetor sejam mais eficazes. "Precisamos sensibilizar os profissionais e incentivar os municípios a investir em qualificação do trabalho de campo, já que ainda temos notificações que não estão sendo inseridas nos sistemas de informação", alertou.
-->