quarta-feira, 24 de abril de 2019

RN fecha 5.468 vagas de emprego no primeiro trimestre de 2019


O Rio Grande do Norte fechou 2.033 vagas de empregos com carteira assinada em março deste ano, segundo os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quarta-feira (24) pelo Ministério da Economia. No acumulado do primeiro trimestre de 2019, foram fechados 5.468 postos de trabalho formal no estado.

Esse saldo negativo representa a diferença entre as contratações (10.236) e as de demissões (12.269) do mês. No acumulado de janeiro a março, foram 34.742 contratações contra 40.210 demissões.

Apesar de o saldo negativo ser comum em março, no estado, esse foi o pior resultado registrado desde 2016, quando se fecharam 2.383 vagas no mesmo mês. Em 2017, o saldo foi de -569 e em 2018, -437.

O setor da economia potiguar que mais fechou vagas foi o da Agropecuária, com redução de 1.593 postos de trabalho no mês passado. Depois dele, veio a Construção Civil, com queda de 401 empregos, Comércio (-65) e Serviços (-59).

Setores como o de Serviços Industriais de Utilidade Pública, a Indústria de Transformação e a Extrativa Mineral foram os que tiveram saldo positivo, com 64, 17, e 4 novos postos, respectivamente.

Veja os saldos de emprego no trimestre, por setor
  • Extrativa Mineral: -159
  • Indústria de Transformação: -1.012
  • Serviços Industriais de Utilidade Pública: 77
  • Construção Civil: -478
  • Serviços: 2.065
  • Administração Pública: -30
  • Agropecuária: -4.744
  • Total: -5468
Municípios
Os municípios que mais demitiram, no trimestre, foram Mossoró e Apodi, na região Oeste. Neles se concentra o setor de fruticultura irrigada, responsável por grande parte dos empregos ligados à agropecuária potiguar.

Mossoró registrou saldo negativo de 1.698 vagas e Apodi, -1051. Eles foram seguidos por São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana da capital, que teve queda de 291 postos. Na região Seridó, Caicó fechou 106 vagas.

Em contrapartida, Parnamirim abriu 436 novos postos. Já a capital Natal teve um saldo positivo de apenas 3 vagas no ano, após fechar 512 empregos no mês passado.

Brasil
O estado seguiu uma tendência nacional e regional. Em todo o país, foram fechados 43.196 vagas de emprego com carteira assinada, em março. E a região que mais registrou demissões foi justamente o Nordeste, que teve saldo negativo de 23.728 vagas de trabalho.

Esse foi o primeiro resultado negativo, nacionalmente, em três meses. A última vez que o Brasil havia registrado mais demissões que contratações foi em dezembro do ano passado, com o fechamento de 341.621 postos de carteira assinada.

O resultado surpreendeu os analistas do mercado financeiro, que estimavam nova abertura de vagas no mês passado.

Esse também foi o pior saldo, para meses de março, desde 2017 - quando 62.624 trabalhadores foram demitidos. No mesmo mês do ano passado, foram registradas 56.151 contratações.

O governo informou ainda que, das 27 unidades federativas, 19 tiveram saldo negativo em março.

Os maiores saldos positivos de emprego ocorreram em Minas Gerais (+5.163), Goiás (+2.712) e Bahia (+2.569 vagas).

Já os maiores volumes de demissões foram registrados em Alagoas (-9.636), São Paulo (-8.007) e Rio de Janeiro (-6.986).

G1RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente