terça-feira, 30 de julho de 2019

Força-tarefa quer R$ 3 bi de Henrique Alves, Eduardo Cunha, Geddel e outras 14 pessoas


A força-tarefa da Operação Greenfield apresentou quatro ações de improbidade contra os dois ex-presidentes da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (RN) e Eduardo Cunha (RJ), e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (BA), todos do MDB. Outras 14 pessoas também foram acusadas.

As ações cobram R$ 3 bilhões para reparação de danos causados à Caixa Econômica Federal (CEF) e no FGTS.

As ações, movidas na esfera cível, se referem a fatos que chegaram a ser denunciados pela Procuradoria na esfera criminal, pelas supostas propinas e lavagem de dinheiro, e tem como objetivo a recuperação dos supostos prejuízos à Instituição Financeira.

As peças na esfera civil se dividem em propinas pagas pelos frigoríficos Marfrig e Bertin, também pela BR Vias, pertencente a Henrique Constantino, dono da Gol, e pelo Grupo J&F.

O ex-deputado Henrique Alves já havia se pronunciado sobre o caso quando a operação foi deflagrada, afirmando que é inocente. Eduardo Cunha e Geddel também afirmam que são inocentes.

deFato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente