domingo, 19 de novembro de 2017

Governo vai modificar orçamento 2018 para assegurar concurso público da saúde

O secretário de Saúde Pública do Rio Grande do Norte, George Antunes, fez previsão tenebrosa para 2018: haverá colapso se o governo não contratar temporários para suprir o déficit nos hospitais do Estado.

 George Antunes reagiu à tesoura da Secretaria do Planejamento, que reduziu o orçamento da pasta de R$ 13 milhões para R$ 3 milhões, o que inviabiliza o concurso público para contratação de pessoal.

O déficit é bem significativo. Segundo o presidente do Conselho Regional de Medicina (CREMERN), Marcos Lima de Freitas, há reclamações de escalas incompletas e no fechamento de leitos e serviços por falta de recursos humanos – médico e não médicos. Gravíssimo.

O secretário George Antunes confirma e afirma que o Estado precisa contratar pelo menos 553 profissionais de saúde para amenizar o problema, uma vez que o déficit chega a 3 mil servidores.

O recado foi entendido na Governadoria e veio a resposta do Planejamento. O corte na dotação orçamentária, que inviabilizaria o concurso público, será recomposto através de modificação ao orçamento encaminhado à Assembleia Legislativa. A mensagem será enviada nos próximos dias, segundo o secretário Gustavo Nogueira.

A Seplan garante que os recursos serão suficientes para bancar o processo seletivo, embora não tenha precisado os valores. Daí, nova preocupação. Não é de hoje que o titular do Planejamento bate de frente com o titular da Saúde. A pasta do dinheiro, alegando a crise financeira, tem sido madrasta com a pasta que cuida da saúde das pessoas.

Inclusive, George Antunes, que é o terceiro secretário de Saúde da gestão Robinson Faria, cogitou entregar o cargo poucos meses após assumir o desafio, depois de bater à porta da Seplan várias vezes e voltar de mãos vazias. Por consequência, viu a crise na saúde pública se agravar, com reflexo no atendimento à população nas unidades de referência, como o Hospital Walfredo Gurgel, em Natal, e o Hospital Regional Tarcísio Maia, em Mossoró.

Pois bem. O concurso público, se a Seplan cumprir o que disse, está garantido, devendo as contratações serem feitas em 2018.

Agora, essa é apenas uma parte da crise que castiga o sistema estadual de saúde. Desabastecimento e sucateamento da estrutura são problemas agudos, que se arrastam há anos.

Para piorar, a greve dos servidores, castigados por salários atrasados, agravou a situação de quem precisa da saúde pública.

DeFato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente