quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Meteorologistas prevêem inverno com chuvas acima da média no RN

II Reunião de Análise e Previsão Climática para o Semiárido do Nordeste do Brasil, realizada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), contou com a participação de pesquisadores e convidados de diversas instituições de vários estados do Nordeste e instituições nacionais.  E previsão é de inverno acima da média no semiárido potiguar, para os meses de março, abril e maio.

As discussões do dia começaram com a apresentação do professor Substituto do Departamento de Meteorologia da UFRN, Ronabson Cardoso Fernandes, que mostros aos participantes do encontro o “Estudo Estatístico da Influência e Raios Cósmicos na Precipitação Pluvial na Região Norte e no Nordeste do Brasil”. Com gráficos e imagens de satélites, o professor Ronabson Cardoso ilustrou a sua palestra para mostrar a influência solar nas precipitações pluviais, sobretudo no semiárido nordestino. Segundo ele, há evidências de que a atividade solar menor ou maior tem influência na formação de nuvens.

Em seguida a Reunião Climática continuou com  a apresentação das condições pluviométricas e hídricas dos estados do Nordeste, pelos representantes dos Centros Estaduais de Meteorologia e Recursos Hídricos e da representante do INMET , Andreia Ramos, que abordou a análise climática feita pelo Instituto Nacional de Meteorologia para o Brasil, os modelos utilizados e análise pluviométrica, e como essas informações são trabalhadas junto aos centros estaduais. À tarde o meteorologista e pesquisador do CPTEC/INPE-SP, Caio Augusto dos Santos Coelho. apresentou um trabalho com o tema “Investigação das possíveis contribuições dos oceanos Pacífico e Atlântico para a estação chuvosa do Norte do Nordeste do Brasil em 2018”, com a apresentação dos campos de Grande Escala. O meteorologista da EMPARN, Gilmar Bristot, apresentou um trabalho sobre fatores, como a atividades solar, e sua relação com a ocorrência de chuvas na região Nordeste.

Depois de todas as apresentações, os meteorologistas se debruçaram, sobre as informações repassadas e com análise dos modelos meteorológicos começaram a elaborar a previsão climática para o semiárido nordestino. O resultado dessas discurssões será apresentado amanhã, às 11h, antes da divulgação do boletim da quadra chuvosa, o pesquisador da Emparn, Josemir Araújo Neves, fará uma palestra sobre a “Ampliação e Modernização do Monitoramento Hidrometeorológico, Climático e Agrometeorológico do Rio Grande do Norte”.  Esse é um dos mais importantes investimentos que a Emparn vem executando para informatizar o setor da meteorologia, que a a partir desse projeto vai disponibilizar informações em tempo real, de clima, volume de chuva, umidade, entre outras informações que vão auxiliar de forma direta o homem do campo. Esse projeto também contempla a aquisição de melhores modelos de previsão de tempo e clima o que dá mais precisão e credibilidade ao trabalho realizado pela meteorologia da EMPARN.
No Rio Grande do Norte, 92% do seu território é semiárido, engloba as regiões Central, Oeste e quase toda região Agreste. No semiárido o período de inverno vai de fevereiro a maio, com exceção da região agreste onde o período chuvoso se estende até o mês de agosto. 

Média anual de chuva por região do semiárido:

* Central - 630.4 mm (74.9% da chuva ocorre no período de fevereiro a maio)
* Oeste - 778.4 mm (75.6% da chuva ocorre de fevereiro a maio)
* Agreste - 639.1 mm (83% da chuva ocorre no período de fevereiro a agosto)

Essa é a última reunião que vai definir como vai ser a quadra chuvosa no semiárido do Nordeste. Durante o encontro, os meteorologistas vão analisar e discutir o comportamento das condições oceânico-atmosféricas e qual a influência delas na ocorrência de chuva no semiárido, no período de março a maio, inverno na região. Na reunião anterior, realizada em janeiro pela Funceme, em Fortaleza/CE, a conclusão foi de que teríamos chuvas de normal a acima do normal para o período de fevereiro a abril de 2018.