terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Proposta de unificar ICMS dos combustíveis beneficia distribuidoras

A proposta do governo de unificar o ICMS dos combustíveis, adotando a chamada “monofasia”, mostra que tem gente da área econômica com o rabo preso com as distribuidoras de combustíveis. A proposta preserva a “margem” desses atravessadores, que encarecem em 16% o preço final para o consumidor, e obriga apenas as refinarias e usinas de etanol a produzir e a pagar imposto.

 

Enquanto isso, as atravessadoras ficam com o “lucro” de produtos aos quais não agregam qualquer valor. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Nos debates sobre venda direta aos postos, distribuidoras só admitiam a medida após implantar a “monofasia” que o governo agora defende.

 

As distribuidoras adquiriram em 2009 resolução da “agência reguladora” ANP proibindo refinarias e usinas de venderem diretamente aos postos. Há 8 meses o Conselho Nacional de Política Energética ordenou a ANP o fim do cartório indecente, mas as bilionárias distribuidoras não deixam.

 

DIÁRIO DO PODER

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente