terça-feira, 28 de junho de 2022

RN tem cinco cidades entre as 30 mais violentas, aponta Anuário

Levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e divulgado nesta terça-feira (28) mostra que dos 30 municípios mais violentos do país cinco deles se encontram no Rio Grande do Norte. Os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública são com base nos casos registrados entre 2019 e 2021.

  

Das 30 cidades mais violentas do país, há 19 rurais, oito intermediárias e três urbanas. Pará é o estado que lidera o ranking (7 cidades), seguido de Bahia e Rio Grande do Norte (5 cidades cada um) e Ceará (4 cidades).

 

Do acordo com o documento, as cidades potiguares na lista são: Umarizal (123,6 mortes para cada 100 mil habitantes), Rodolfo Fernandes (119,6), Extremoz (118,7), Japi (113,3) e Tibau (112,6). As respectivas posições no ranking nacional são: 7ª, 11ª, 12ª, 15ª e 17ª.

O levantamento mostrou que o município de São João do Jaguaribe, no Ceará, é o mais violento do país. A taxa de mortes violentas na cidade cearense chega a 224 para cada grupo de 100 mil habitantes. Jacareacanga, no Pará, vem na sequência com 199,2.

 

O estudo elaborou um ranking usando como referência o índice de mortes a cada 100 mil habitantes. Neste ano, a novidade foi a inclusão de municípios pequenos, com um cálculo proporcional relacionando a quantidade de moradores e as mortes violentas intencionais, incluindo homicídio doloso, latrocínio (roubo seguido de morte), lesão corporal seguida de morte e assassinatos em ações da polícia.

 

BRASIL

 

O Brasil registrou 47,5 mil mortes violentas e a taxa chegou a 22,3 mortes para cada 100 mil habitantes em 2021, apontou o anuário. Houve queda de 6,5% em relação a 2020. (23,8, quando houve registro de 50,4 mil assassinatos). Trata-se do menor índice da série histórica, iniciada em 2011.

 

Em 2017, o Brasil atingiu um recorde de assassinatos e a taxa chegou a 30,9 mortes para cada 100 mil habitantes. O índice caiu em 2018 e 2019 e voltou a subir no ano passado.


DeFato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente