sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Comandante da PM nega 'paredão humano' em Alcaçuz: 'polícia, se abrir as mãos, morreu'

19/01 - Presos são vistos no telhado durante uma rebelião na penitenciária de Alcaçuz, perto de Natal, no Rio Grande do Norte (Foto: Andressa Anholete/AFP)
O comandante-geral da Polícia Militar do RN, coronel André Azevedo, afirmou ao G1 nesta sexta-feira (20) que não havia intenção da corporação de fazer um "paredão humano" para separar facções criminosas na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, na Grande Natal. A afirmação foi feita pelo governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), nesta quinta (19) em entrevista à GloboNews.

"Paredão humano, ele [governador] já se desculpou. Ele recebeu uma informação não técnica. Não existe. Lá existe arma de fogo. Polícia, se abrir as mãos, morreu", disse o comandante. "Nós para entrarmos temos que fazer uma operação complexa, planejada, que envolve muitos materiais, equipamentos armas", disse. 

É o 7º dia de rebeliões na penitenciária, maior do estado. Na manhã desta sexta, os presos voltaram a ocupar o telhado da unidade. Eles continuam soltos pelos pavilhões e pelos pátios do presídio, mesmo após a entrada do Batalhão de Choque e do Bope.

Segundo o comandante, deve ser instalada uma barreira física para separar as facções, que seria feita de contêineres provisoriamente. "Isso é urgente e necessário", disse. O coronel afirmou ainda que é uma "ilusão" pensar que a Polícia Militar conseguirá retirar todas as armas do presídio.

"São 5 pavilhões, cerca de 1,4 mil presos. Imaginar que 100 ou 150 homens da polícia entrem e retiram as armas é ilusão. Cada pedaço de ferro é uma arma. A gente recolhe mil. Vamos sair daqui, no mês seguinte tem mais mil. É um esforço jogado fora. Hoje, o sistema prisional, que é a cargo da Sejuc [Secretaria do Estado de Justiça e Cidadania], não é da polícia, eles perderam o controle do sistema prisional", afirmou.

O coronel disse que a ação desta quinta ocorreu para "evitar mortes e cumprir a lei" e que até o momento uma morte foi confirmada. "Nós estamos nos presídios para evitar a ação externa do resgate de presos", disse. "Nós vamos atuar para que a Sejuc possa restabelecer uma barreira física de separação. São facções numerosas que estão lá se degladiando. Enquanto não houver uma barreira física, eu vou entrar para quê? Eu vou entrar e sair."

Homens do Exército, Marinha e Aeronáutica chegaram a Natal pela manhã para reforçar a segurança dos moradores. O emprego dos militares foi autorizado pelo presidente Michel Temer. Ao todo, 1.200 homens vão integrar a Operação Potiguar 2 até o dia 30.

Rebeliões e mortes
A rebelião em Alcaçuz começou na tarde do sábado, logo após o horário de visita. Presos do pavilhão 5, que abriga integrantes do Primeiro Comando da Capital, facção ligada a presídios paulistas, quebraram parte de um muro e invadiram o pavilhão 4, onde há presos que integram o Sindicato RN.

Ao todo, 26 detentos morreram durante o conflito entre as duas facções criminosas dentro da unidade, que gerou uma série de ocorrências na capital e outros nove municípios. Na quinta, houve novo confronto entre os presos. A PM diz que há mortos, mas não informou o número.
É o terceiro dia que ônibus da capital são afetados pelos ataques. Até o momento, vinte e quatro ônibus, dois micro-ônibus, um carro do governo do estado, três carros da secretaria de Saúde de Caicó, um veículo da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, duas delegacias e um prédio público foram alvos de criminosos.

Desde segunda, o governo do Rio Grande do Norte mantém contato com os chefes de facções para tentar retomar o controle de Alcaçuz. O secretário de Segurança Pública e Defesa (Sesed), Caio Bezerra, disse que as facções foram informadas de que a polícia não iria mais permitir confrontos entre criminosos.

G1RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente