sábado, 13 de junho de 2020

Crônicas da árvore -01 – O despertar.


Um certo dia, aquela cidade pacata do interior amanheceu em festa. Tudo estava perfeito, tudo era harmonia e todos estavam felizes e satisfeitos. Havia música pela cidade e as pessoas se falavam em estado de graça.
Nada faltava, e as coisas pareciam ser pra sempre daquela forma, até a eternidade.
Mas um certo homem, cidadão ordeiro daquele município, estava diferente dos demais. E reclamava bastante consigo mesmo.
                - “Como posso ser tão mal agradecido” – dizia pra si mesmo – “As coisas parecem tão perfeitas, e eu aqui, achando que tem algo errado. Eu não entendo o que está acontecendo comigo.”
Nas ruas, de alto falantes enormes e de telas gigantes, saiam vozes que diziam ao povo: “Está tudo bem, nada está errado, vocês estão felizes, tudo que fazemos é para o bem de vocês”.
Ele olhou em volta e para uma das telas, que mostrava um casal, vestido de branco, que se chamavam de “Pai e Mãe”. Os dois comandavam os destinos daquela cidade. Eles diziam que tudo estava muito bem.
O homem olhou novamente em volta, haviam prédios, casas, residências, tudo muito limpo, claro, brilhante e perfeito. Mas aí ele teve um espasmo, uma espécie de flash, que trocou a paisagem, e de repente, tudo era uma ilusão, nada estava mais perfeito. A cidade estava suja, as praças sem cuidados, os serviços, ofertados de forma  inadequada, e o povo sendo mal tratado o tempo todo.

Ele piscou e a perfeição voltou, mas ele viu algo que não tinha percebido antes: uma árvore, enorme, no centro do município, que parecia brilhar e lhe atrair. O homem caminhou até lá, e foi compelido a tocar o tronco da árvore. Quando isso aconteceu, tudo mudou e ele conseguiu enxergar a verdade: era tudo uma fantasia, e aquela cidade estava sendo usada pelo casal, pelo “Pai” e pela “Mãe”. A perfeição era mentira, e a população estava vivendo uma ilusão, repetida o tempo todo pelos alto falantes e telas espalhadas por todo lugar. A maioria das pessoas era maltratada, e ninguém podia se rebelar, reclamar ou ser contra os dois.
O homem soube imediatamente que tinha que ajudar outros a enxergar a verdade, a sair daquela fantasia que estava submetendo todo mundo a uma ilusão.

Essa história continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente