quarta-feira, 24 de março de 2021

Governadores de 16 estados assinam carta à Câmara e Senado pedindo volta de R$ 600 no auxílio emergencial

Nesta quarta-feira (24), governadores de 16 estados assinaram uma carta aos presidentes da Câmara dos Deputados e ao Senado pedindo a aprovação de um auxílio emergencial no valor de R$ 600, com os mesmos critérios que haviam no ano passado para recebimento do benefício.

 

Como justificativa, a carta lembra a crise sanitária vivida no país por causa da Covid-19 e a necessidade de um apoio financeiro aos mais pobres. Nessa terça-feira (23), o Brasil bateu novamente o recorde de mortes por Covid-19 confirmadas em 24 horas. Foram mais de 3 mil em um único dia.

"Temos o cenário dramático de quase 300 mil vidas perdidas. Diariamente, vemos recorde de mortes, lotação de leitos hospitalares, ameaça de falta de medicamentos e esgotamento das equipes de saúde. O calendário nacional de vacinação e a obtenção de novas doses de imunizantes contra a Covid-19 estão mais lentas do que as respostas que precisamos para reverter esse quadro", diz a carta.

 

Atualmente, o governo federal avalia a criação do novo auxílio emergencial com mudança nas regras de recebimento e nos valores do benefício. As novas regras estão em uma medida provisória assinada na última quinta-feira (18) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ela prevê o pagamento de quatro parcelas mensais, até julho.

 

Pelas novas regras, ficaram estabelecidos pagamentos de R$ 150 para pessoas solteiras, R$ 250 para casais e R$ 375 para mães que sustentam individualmente suas famílias — apenas uma pessoa por família será beneficiada.

 

Nova rodada do Auxílio Emergencial: como serão os pagamentos, quem vai receber e o que falta saber

 

Além disso, o auxílio só será pago a famílias com renda total de até três salários mínimos por mês, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. Segundo o governo, o benefício deverá ser pago a 45,6 milhões de famílias.

 

Para quem está no Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso. A pessoa receberá o benefício com maior valor, seja a parcela paga no âmbito do programa, seja o valor do Auxílio Emergencial.

 

Assinam a carta os governadores:

  • Renan Filho - Governador do Estado de Alagoas
  • Waldez Góes - Governador do Estado do Amapá
  • Rui Costa - Governador do Estado da Bahia
  • Camilo Santana - Governador do Estado do Ceará
  • Renato Casagrande - Governador do Estado do Espírito Santo
  • Flávio Dino - Governador do Estado do Maranhão
  • Reinaldo Azambuja - Governador do Estado de Mato Grosso do Sul
  • Helder Barbalho - Governador do Estado do Pará
  • João Azevêdo - Governador do Estado da Paraíba
  • Ratinho Junior - Governador do Estado do Paraná
  • Paulo Câmara - Governador do Estado de Pernambuco
  • Wellington Dias - Governador do Estado do Piauí
  • Fátima Bezerra - Governadora do Estado do Rio Grande do Norte
  • Eduardo Leite - Governador do Estado do Rio Grande do Sul
  • João Dória - Governador do Estado de São Paulo
  • Belivaldo Chagas - Governador do Estado de Sergipe

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente