quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Casos de Chikungunya subiram 364% no RN


O novo Boletim Epidemiológico, divulgado nesta terça-feira (3) pela Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte, reforça o que ocorreu durante o ano de 2019. Até o dia 9 de novembro passado, os casos de dengue confirmados sofreram uma redução de 20%, enquanto os de Chikungunya aumentaram em 364%, comparando ao mesmo período de 2018.

Foram notificados 37.660 casos suspeitos de dengue, sendo confirmados 9.736 casos, o que representa uma incidência de 1.082.49 casos por 100.000 habitantes. Em 2018, considerando o mesmo período, foram 28.734 casos notificados e 12.176 confirmados, gerando uma incidência de 825,92 casos por 100.000 habitantes.

Quanto à Chikungunya, foram notificados no estado 14.755 casos suspeitos. Em 2018, na mesma data eram  3.428 suspeitas e 1.240 confirmações. As confirmações em 2019 subiram para 5.753, representando uma incidência de 424,11 casos por 100.000 habitantes, enquanto no ano passado a incidência ficou em 98,53 casos por 100.000 habitantes.

A Sesap orienta a realização das ações de prevenção e educação em saúde executadas pelos municípios, bem como orienta e supervisiona o trabalho realizado pelos agentes de endemias para controle do vetor, o mosquito Aedes aegypti. Além disso, são realizadas as operações de aplicação do inseticida por meio dos carros fumacê, que devem ocorrer apenas quando houver necessidade do controle de surtos e epidemias por arboviroses.

A subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap, Alessandra Lucchesi, destaca que municípios e a população têm um papel essencial na prevenção dessas doenças. “É necessário que todos tomem as medidas de prevenção à proliferação do mosquito: receber o agente de combate às endemias em suas residências, eliminar água de vasos de flores, tampar tonéis e tanques, não deixar água acumulada, lavar semanalmente depósitos de água, manter caixas de água e tanques devidamente fechados e colocar o lixo em sacos plásticos, mantendo a lixeira fechada, entre outras”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente