quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Prefeitura de Angicos nega direito de duas professoras e elas buscam ajuda das autoridades e MP

Duas professoras entraram em contato com a redação do blog para relatar abuso de poder por parte do executivo municipal de Angicos.

As duas educadoras relataram problemas semelhantes com relação a direitos adquiridos e que não estão sendo ofertados pela gestão municipal.

Uma delas é a professora Selda Araújo, esposa do presidente da câmara de vereadores de Angicos, que vem requisitando o direito de ter as letras por tempo de serviço, que estão sendo negadas a tempo pelo prefeito municipal. Ela não está na sala de aula por motivos de saúde, que é do conhecimento geral.

A outra, professora titular da escola municipal Maria Odila, Marillya macêdo de Carvalho Barros, também contou que teve seus direitos negados pois interpelou o prefeito Deusdete Gomes e cobrou a Letra, direito que o docente tem, quando completa o tempo de ligação com o município. Segundo ela, o gestor não gostou de ser cobrado e isso foi o suficiente pra ter o seu direito adquirido pelo Plano de Cargos, Carreira e Salários, negado.

Outros profissionais em situação semelhante tiveram suas letras publicadas, mas as duas  professoras, não.

Uma delas, Selda, publicou recentemente nota onde respondeu ao executivo, mostrando seu direito real e concreto.

A outra, Marillya, também quer saber o motivo pra não estar recebendo seus proventos com o aumento garantido pelo PCCS.

A verdade é que o prefeito não cumpre a lei em muitos aspectos, apesar de ser um advogado.

Que se manifeste a promotoria pública da comarca e as autoridades competentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente