terça-feira, 24 de agosto de 2021

Energia fornecida pela Cosern teve aumento de 7,82% em 2021, aponta Aneel

Os potiguares, assim como todos os brasileiros, sentiram no bolso o aumento da conta de luz nos últimos meses. Desde o início do ano, as tarifas de energia dos consumidores residenciais no Rio Grande do Norte subiram 7,82%, de acordo com levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A grave crise hídrica neste ano deixou a energia mais cara, devido à cobrança de taxa adicional para fazer frente ao custo das térmicas, mas os reajustes anuais também pesaram. E novos aumentos ainda estão por vir, já que cálculos preliminares agência reguladora apontam que as tarifas podem subir, em média, 16,68% no ano que vem.

Na média, o aumento no Brasil em 2021, analisando as 30 concessionárias de distribuição de energia, que atendem 16 Estados, foi de R$ 7,15%, um pouco abaixo do aumento observado na Cosern (13ª entre as agências com maior reajuste).

 

Consumidores de alguns municípios de São Paulo, Minas Gerais e Paraná, atendidos pela Energisa Sul Sudeste tiveram o reajuste mais alto até o momento: 11,29%. Já moradores atendidos pela Cemig, em Minas Gerais, e pela Sulgipe, que atende municípios em Sergipe e na Bahia, não tiveram reajustes neste ano ou as contas ficaram ligeiramente mais baratas, respectivamente.

 

Entre os principais fatores para a alta das tarifas estão os custos com encargos setoriais, despesas com compra e transporte de energia, efeitos do IGP-M, já que diversas distribuidoras têm contratos atrelados ao índice de preços, e o câmbio.

 

Ainda que acentuados, sobretudo em um momento em que a conta já está pressionada pelos custos das térmicas, os reajustes poderiam ter sido maiores. Para amenizar os efeitos, a Aneel aprovou um pacote de medidas para “segurar” os reajustes – e já estuda fazer o mesmo em 2022.


AgoraRN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente