Postagem em destaque

Eleição da Câmara em Angicos; está chegando a hora!

A eleição da câmara de vereadores de Angicos se aproxima rapidamente. De acordo com declaração ao blog do Presidente Neto Maciel, o " P...

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Covid-19: OMS aprova Covaxin para uso emergencial

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou nesta quarta-feira (3) o uso emergencial da Covaxin, vacina indiana contra a Covid-19, produzida pela Bharat Biotech. O imunizante não é usado no Brasil.

Segundo a OMS, a Covaxin é recomendada para os maiores de 18 anos, com um intervalo entre doses de quatro semanas. Ela não é recomendada para grávidas.

 

"O Grupo Técnico Consultivo, convocado pela OMS e composto por especialistas em regulamentação de todo o mundo, determinou que a vacina Covaxin atende aos padrões da OMS para proteção contra a Covid-19. O benefício da vacina supera os riscos e ela pode ser usada", disse a entidade.

No comunicado, a OMS informou que a Covaxin tem eficácia de 78% contra a Covid-19, em todos os estágios (de leve a grave), 14 dias ou mais após a segunda dose. Também disse que a vacina é facilmente armazenada, requisito importante para países de baixa e média renda.

 

A Covaxin é baseada em vírus inativado. Essa técnica utiliza vírus que foram expostos em laboratório a calor e a produtos químicos para não serem capazes de se reproduzir. Ela é administrada em duas doses.

 

Sétima aprovação

 

Essa é a sétima vacina a receber aprovação de uso emergencial pela OMS. Veja quais são as outras:

  • Pfizer (usada no Brasil)
  • Oxford/AstraZeneca nas versões produzidas na União Europeia e pelo Instituto Serum (usada no Brasil)
  • Johnson (usada no Brasil)
  • Sinovac/CoronaVac (usada no Brasil)
  • Moderna
  • Sinopharm

A aprovação da OMS é um pré-requisito para o fornecimento de vacinas através do Covax Facility, aliança global criada para impulsionar o desenvolvimento e a distribuição das vacinas contra a Covid. Além disso, também permite que países agilizem a aprovação regulatória para importação e administração dos imunizantes.

 

“Esta lista de uso emergencial expande a disponibilidade de vacinas, as ferramentas médicas mais eficazes que dispomos para acabar com a pandemia”, disse Mariângela Simão, subdiretora geral da OMS para acesso a medicamentos e produtos de saúde.


G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente