sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

Desemprego recua no Rio Grande do Norte e mais 18 estados

O mercado de trabalho mostrou forte geração de vagas ao fim de 2021. No Brasil, a taxa média anual de desemprego caiu de 13,8% em 2020 para 13,2% em 2021 e esse movimento de queda foi acompanhado pela maior parte das regiões. O Rio Grande do Norte fechou 2021 com uma média anual de 1,287 milhão de pessoas ocupadas, o que significa 1,6% a mais que em 2020 (1.226 milhão de pessoas ocupadas) e uma taxa média de desemprego de 14,8%, um recuo de 1,3 ponto percentual ante o ano anterior (16,1%).  No País, 19 das 27 unidades da Federação também apresentaram recuo nessa taxa anual e três apresentaram estabilidade. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta quinta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

 

A PNAD Contínua, que trouxe também os dados do último trimestre de 2021, mostra que a taxa caiu de 14,7% no terceiro trimestre para 12,7% no quarto trimestre do ano passado, a mais baixa desde o início da pandemia de covid-19 no primeiro trimestre de 2020. Além da diminuição de dois pontos percentuais em relação ao trimestre anterior, a taxa caiu quase três pontos percentuais na comparação com o mesmo trimestre de 2020 (15,6%).

Considerando a Pnad trimestral, o RN tem a 11ª maior taxa de desocupação do País, porém a 3ª menor do Nordeste. Enquanto Santa Catarina (4,3%) e Mato Grosso (5,9%) estão em melhor situação no mercado de trabalho do País, Amapá (17,5%) e Bahia (17,3%) têm os piores índices.

 

A PNAD Contínua estima, em números absolutos, que a força de trabalho potiguar era de 1,53 milhão de pessoas no quarto trimestre do ano passado, dos quais, 1,341 milhão estava ocupado. No comparativo com o último trimestre de 2020,  quando o Estado tinha 1.272 milhão de pessoas ocupadas, esse contingente  aumentou 5,4%.

 

Da força de trabalho, 194 mil estavam desocupadas no último trimestre de 2021, ante 235 mil no mesmo período de 2020. Com isso, o número de desocupados teve queda tanto na comparação com o trimestre anterior (-12,2%), quanto no mesmo período do ano passado (-17,4%). Considerando o consolidado de 2021, houve recuo de 5% na população desocupada, que saiu de 235 mil (2020) para 223 mil (2021).

 

São consideradas desocupadas as pessoas que estavam sem trabalho e que tomaram alguma providência para conseguir emprego, como entregar currículo, atender a entrevistas de emprego, inscrever-se em concurso, entre outras atitudes. Essas pessoas estavam disponíveis para assumir o posto de trabalho naquela semana caso o tivessem encontrado, porém não obtiveram êxito.

 

Os dados apontam que, no último trimestre, o nível de ocupação no Rio Grande do Norte foi de 46,3%, um aumento de dois pontos percentuais em relação ao trimestre anterior. Este indicador é a proporção de pessoas ocupadas em relação à população em idade laboral (14 anos ou mais). No ano, o nível de ocupação subiu de 43,5% para 44,7%, variação de 1,2 ponto percentual. O RN tinha no último trimestre de 2021, 2,89 milhões de pessoas com 14 anos de idade ou mais. A população ocupada com carteira assinada cresceu 4,2% no Estado, segundo os dados do IBGE

A taxa de participação na força de trabalho, que mede a proporção das pessoas ocupadas e desocupadas em relação à população em idade de trabalhar, foi de 53%. As mudanças no nível de ocupação e taxa de participação na força de trabalho não são estatisticamente relevantes e, por isso, permanecem estáveis.

 

Dentre os potiguares ocupados no 4º trimestre de 2021, 21,2% tinham como trabalho principal atividades relacionadas ao comércio. A participação da administração pública foi de 20,8%. Na sequência, vêm as atividades de agricultura; informação e comunicação, ambas com 10%; e indústria 8,9%. O IBGE destaca o crescimento de cerca de 19 mil vagas no setor de outros serviços, saindo de 58 mil ocupados no trimestre anterior para 77 mil no 4º trimestre deste ano.


Tribuna do Norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente