terça-feira, 26 de abril de 2022

PMs da reserva executados tinham envolvimento com crimes de repercussão no RN

Foto: Bruno Vital/Tribuna do Norte

Os policiais militares reformados Antônio Carlos Ferreira Lima e Márcio André de Souza Silva, executados a tiros na noite da segunda-feira (26), tinha condenações por crimes de grande repercussão no Rio Grande do Norte. Enquanto Antônio Carlos participou da morte de um advogado criminalista após disputa por terra, Márcio André teria executado três pessoas e tentado matar outra por vingança. 


PMs da reserva são executados na zona Norte de Natal; Polícia Civil investiga motivação

Sargento reformado, Antônio Carlos Ferreira de Lima foi condenado a 14 anos de prisão por intermediar a morte do advogado Antônio Carlos de Souza Oliveira. O crime ocorreu em um bar de Natal no ano de 2013 e o policial foi condenado após júri popular declarar que ele era culpado. As investigações apontaram que Antônio Carlos Lima foi o responsável por articular o homicídio do advogado, que ocorreu na noite de 9 de maio de 2013, quando o advogado foi surpreendido por um atirador enquanto usava o banheiro de um bar no bairro Nazaré, zona Oeste de Natal. Foram quatro disparos.

A Polícia Civil informou que a motivação do crime seria uma disputa de terras em São Gonçalo do Amarante, envolvendo o advogado e Expedito José dos Santos. A vítima teria derrubado um muro construído irregularmente por Expedito, que pediu a Antônio Carlos Lima que articulasse o homicídio. Durante as investigações, o autor dos disparos, Lucas Daniel, alegou ter feito isso em consideração ao sargento da PM, de quem é amigo. Ele também revelou só ter matado o advogado por acreditar que se tratava de um "vagabundo".

 

Já Márcio André, expulso da Polícia Militar por extorsão mediante sequestro, participou das mortes de Josemar Gomes, 43 anos, e Charles Paiva da Silva, 29, assassinados em 20 de setembro de 2010 em uma estrada carroçável em Mangabeira, distrito de Macaíba. Além deles, um soldado da PM conseguiu escapar após ser atingido por dois tiros nas costas. 

 

Em 2012, o bugueiro José Gomes Timbira teria jurado Márcio André de morte devido ao homicídio de Josemar Gomes, que era sobrinho do bugueiro. Segundo a polícia, Márcio André se antecipou e matou Timbira no dia das mães, na avenida Amintas Barros, zona Sul de Natal. 

 

Mortes

 

Os dois policiais militares reformados foram executados com tiros de pistola e espingarda calibre 12 por um grupo que os encontrou na noite da segunda-feira (25), no bairro Potengi, próximo à casa de familiares de um dos policiais. Ao observarem que o veículo, um Prisma preto, estava chegando próximo a eles, os policiais desceram do carro em que estavam e tentaram correr. Contudo, foram alcançados pelo grupo e executados a tiros em via pública.

 

A Polícia Civil está investigado o caso e apura qual teria sido a motivação.


Tribuna do Norte 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente