terça-feira, 4 de agosto de 2020

Governo vai garantir R$ 1,9 bilhão para a produção de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19

O Ministério da Saúde quer garantir R$ 1, 9 bilhão para a produção de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19. De acordo com o órgão, a Medida Provisória para viabilizar o crédito está em estudo no Ministério da Economia. Ontem, em coletiva de imprensa, secretários da pasta explicaram que o valor é necessário para subsidiar as despesas com a vacina. Do total, R$ 1,3 bilhão será destinado ao pagamento do laboratório AstraZeneca, previsto no contrato de encomenda tecnológica feito pelo Ministério da Saúde.

O restante do valor será utilizado para pagar o processamento final da vacina pela Bio-Manguinhos, da Fiocruz ( R$ 522,1 milhões); e para investimentos necessários de absorção da tecnologia de produção pela Fiocruz ( R$ 95,6 milhões).

Na última sexta-feira, a Fiocruz assinou um Memorando de Entendimento com o laboratório AstraZeneca para estabelecer os termos e condições para o contrato de produção da vacina. De acordo com informações do ministério da Saúde, o contrato deve ser assinado até o dia 14 de agosto.

Grupos de risco e profissionais de serviços essenciais terão prioridade quando a vacina contra o novo coronavírus começar a ser aplicada. De acordo com o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Helio Angotti Neto, após comprovada a eficácia da imunização esse cronograma será definido.

— O quantitativo é de 100 milhões (de doses).Tudo isso vai depender muito do desempenho da fase três dessa vacina. No cronograma de entrega, com todo estudo logístico, poderemos entregar um planejamento de como essas doses serão dispensadas e como será o esquema. Os grupos (prioritários) inlcuem idosos, pessoas com comorbidades, profissionais de saúde, pela condição de estarem na linha de frente; professores; profissionais de segurança; indígenas; motoristas de transporte público; e pessoas privadas de liberdade — disse, acrescentando que o ministério já encomendou 110 milhões de unidades de seringas e agulhas para ministrar as vacinas.

O secretário executivo da pasta, Élcio Franco, afirmou que o país tem capacidade para ministrar a vacina sem grandes problemas:

— O Brasil detém o maior programa nacional de imunização do mundo, tem expertise, não só de definir o público-alvo prioritário, como também a logística para chegar a cada um dos municípios as doses das vacinas e acompanhar a cobertura, fazendo a logística dentro de uma gestão tripartite.

Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente