sábado, 8 de agosto de 2020

Estudos preliminares sugerem que vacinação prévia pode contribuir na proteção contra o novo coronavírus

Injeção com vacina em teste para o 
coronavírus é aplicada na Alemanha — 
Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters/Arquivo
Dois estudos recentes sugerem que pessoas vacinadas para outros vírus podem estar mais protegidas de uma infecção pelo coronavírus Sars-Cov-2. Segundo os pesquisadores, foi notado que alguns pacientes vacinados para tuberculose, por exemplo, desenvolveram a forma leve da Covid-19.

No entanto, ambos os estudos são preliminares e reforçam que mais pesquisas sobre o assunto são necessárias para se determinar a eficácia de algumas vacinas prévias para a proteção contra o novo coronavírus.

Um artigo publicado na quarta-feira (5) pela revista "Cell Reports Medicine" apontou que indivíduos que receberam a vacina para a tuberculose, conhecida como BCG, nos últimos três anos e que pegaram a Covid-19, não sofreram com infecções mais graves.

"Conclusões só poderão ser tiradas quando saírem mais resultados sobre os estudos em andamento com a BCG", ponderou Mihai Netea, um dos autores do "Safety and Covid-19 symptoms in individuals recently vaccinated with BCG: a retrospective cohort study" 
em entrevista à agência Reuters.

O artigo de Netea descreveu um estudo feito com 430 voluntários infectados pelo coronavírus. Deles, 266 receberam a vacina para a tuberculose, enquanto que outros 164 participantes não foram vacinados. Os do primeiro grupo tiveram sintomas mais leves da Covid-19.

Sintomas da Covid-19: veja o que estudos recentes descobriram sobre efeitos do novo coronavírus no corpo

Outro estudo, feito pelos pesquisadores da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, descobriu que pessoas que receberam outras vacinas nos últimos 5 anos – como a da gripe, pneumonia ou hepatite – apresentaram taxas mais baixas de infecção pelo coronavírus.

Publicado em 29 de julho como prévia (pré-print), o artigo "Exploratory analysis of immunization records highlights decreased Sars-CoV-2 rates in individuals with recent non-Covid-19 vaccinations" ainda não passou pela revisão por pares.

O estudo avaliou o prontuário de 137.037 pacientes da rede de saúde norte-americana e avaliaram que pacientes que testaram positivo para coronavírus em um RT-PCR e que receberam alguma vacina nos últimos cinco anos, estavam também entre os grupos com menos complicações da Covid-19.

Netea comentou que a descoberta feita pela clínica norte-americana sugeriu que "os efeitos benéficos das vacinas podem ser mais amplos do que os atualmente conhecidos". Segundo ele, sua equipe observou resultados semelhantes em pacientes que receberam a vacina contra a gripe.

Os pesquisadores reforçam que ainda é cedo para afirmar que vacinas prévias são eficazes na proteção contra o coronavírus. Não há ainda nenhuma vacina ou tratamento diagnosticado para a Covid-19.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflita, analise e comente